Mude Seu Idioma / Change Your Language / Cambia Su Lengua

quarta-feira, 21 de abril de 2010

QUAL A MELHOR MANEIRA DE SE ESTUDAR DANÇA DO VENTRE (Parte V)


  • É investir em workshops, participação em festivais, etc?


Workshops... Festivais... eventos... Se isso desse aval de boa bailarina, eu seria a "Soraia Zeid dos desvalidos", kakakakaka!!! Alguns eventos tem realmente um caráter didático e difusor da arte e da cultura, mas outros são verdadeiras máquinas caça-níqueis. Sem querer ser preconceituosa (já sendo), se o evento não é de vulto É CAÇA-NÍQUEIS!!! Não gastem seu suado dindinzinho com eles... Você irá se arrepender um dia.

Não estou dizendo que eventos pequenos sejam ruins. Mas nosso foco aqui é estudo, certo? Não diversão. Sustentar essa arte já não é nada fácil, imagina você investir num evento meia boca??? Dá vontade de morrer de catapora, né?


Leitoras e leitores purpurinados (ou não) do meu Brasil varonil: INVISTAM EM EVENTOS QUANDO ESTES LHE TROUXEREM ALGO QUE ACRESCENTEM SUA DIDÁTICA! A não ser que você queira ir só pra se divertir, aí é outra estória. Mas vamos voltar ao foco, senão eu começo a entrar em devaneios. Que tal dividirmos essa questão como na publicação anterior? Básico, Intermediário, Avançado e Profissional?


  1. BÁSICO - Nesse momento, não invistam em workshops cegamente, PELAMORDDEUSO! Usem o bom senso e reflitam. Se você está no básico, aprendendo os movimentos mais fundamentais e nem acessórios a além do véu você está usando, do que vai te servir um workshop de Espada e Véu, por exemplo? Invista em works de maquiagem artística, oficinas de quadril, expressão, véu (comum, não o fan, poi ou wings). É muito bom começar a assistir festivais e concursos, pra que você comece a ter uma noção de presença de palco, deslocamentos em grupo, dupla e solo, situações adversas, enfim, olhar com olhos acadêmicos e não de espectador. Lembre-se que você está ali pra ESTUDAR. Não esqueça do dindim que falamos anteriormente... Mas pode se divertir um pouquinho que eu deixo, rsrsrsrs.
  2. INTERMEDIÁRIO - Nessa fase, o senso crítico da gente já fica mais aguçado, onde a gente já consegue escolher os eventos que serão proveitosos pra nossos estudos. Momento de se começar a arriscar uma mostra não competitiva, uma oficina de movimentos mais complexos, de acessórios condizentes a fase de aprendizado que estamos. Agora sim, você pode fazer um workshop de espada e véu, dança de chão, solo de derbak. Nos festivais, se puder leve um caderninho, uma câmera e registre tudo pra ver com calma depois. Faça uma espécie de "gostei / não gostei" e treine o seu feeling de apresentações e organização artística. Se possível vá com alguém de nível avançado e troque impressões na hora e anote tudo que for relevante, tanto nos workshops quanto nas mostras (competitivas ou não) e nos shows.
  3. AVANÇADO - Dizer o que? Nesse momento da vida da estudante, ela já tá por dentro de todo o "jet-set" de eventos, mostras, workshops e tudo mais. Hora de dar uma arriscadinha numa mostra competitiva (que continuo sendo RADICALMENTE CONTRA, mas se for pra participar, faça isso nessa fase, onde o desestímulo de um possível "resultado não muito justo" não vai te afetar muito psicologicamente). Workshop de ritmos, folclore, língua árabe são hiper-ultra-mega bem vindos. Oficinas de produção artística para bailarinas e de acompanhamento de músicos ao vivo também. Talvez você nessa fase não tenha muito tempo pra ser público, por causa das cerimônias de encerramento e tal, mas se for possível, peça a alguém pra te acompanhar e filmar (se a organização do evento permitir) a você e a alguma profissional de sua preferência. Se veja dançando e seja critica de você mesma e busque estudar os movimentos desta bailarina de sua preferência. Lembre-se que você pode ser inspiração de alguém um dia.
  4. PROFISSIONAL - CALMA, CALMA, MUITA CALMA NESSA HORA!!! Você AINDA não é "a estrela". Não se esqueça que ainda estamos estudando! Você não "é profissional", você "está estudando pra ser profissional". Hora de voos mais altos. Eventos Internacionais e de âmbito Nacional, de uns festivais no Cairo, Dubai, Arábia Saudita, Líbano (viu como foi bom economizar o dindim no início?). Mas se ainda assim esses festivais estiverem muito longe da sua possibilidade, vale um work de fisiologia e anatomia focada na Dança do Ventre, Danças Orientais para Fusões, Psicologia e Relações Humanas, Lendas e Mitos, Verdades e Mentiras sobre a História da Dança, Ballet direcionado para Dança do Ventre. Alguns eventos abrem audições para os "Grand-Shows" que encerram esses festivais. Talvez seja uma boa idéia nesse momento você participar dessa seleção. Muita coisa boa pode surgir daí. Caso você não seja selecionada, não desanime nem diga que é marmelada, rsrsrsrs. Seja humilde e se inscreva nos "Pocket-Shows". Ano que vem você tenta de novo, o importante é você saber que sua hora vai chegar se você for paciente e Perseverante.




OBS.: Nem sempre uma pessoa renomada significa aquele workshop fantásticamente bom. Pode acontecer de você pegar um workshop de uma pessoa top de linha e o workshop seu uma "bosta". Não significa que ele tenha sido ruim, apenas o seu foco não era o que foi abordado, portanto, antes de  escolher uma oficina, um evento ou um show pra assistir didaticamente, procure se inteirar muito bem a respeito da pauta do work, do programa do evento ou do Show que você pretende assistir pra não ficar depois com aquele gosto de M***da na boca, na sensação de rasgar dinheiro.



Enfim pessoal, é isso. Aqui encerro essa série de publicações a respeito de como estudar de forma correta a Dança do Ventre, e o Tribal também. Isso porque na minha opinião pessoal, as 2 últimas questões colocadas (Todas Acima ou Nenhuma das Acima) se faz desnecessária. O importante é ter BOM-SENSO. Buscar aquilo que combina com seu jeito de ser e que te dê satisfação. Não adianta "malhar em ferro frio" numa coisa efêmera, que se você buscar no fundo do seu coração, aquilo tá faltando um pedaço. O todo tem que te completar e te realizar, ou então não te serve. Pense nisso. Nem que você leve a vida buscando, mas seja fiel ao seus instintos.




SEJA FELIZ E UM ABRAÇÃO!!!

3 comentários:

Mônica Haiyat Raziya Ferreira disse...

AGRADECIMENTOS: Festival de Dança do Ventre de Coimbra (2008), 1º Workshop A2YOU (2008), 2º Tribes Brasil - GRAND-SHOW 1º dia (2009), 3º Congresso Nacional de Dança do Ventre e Claudia Moppe - Workshop de Dança da Serpente (2009)

nanda salima disse...

Vou falar por mim,eu ja fiz inumerossssssss workshops...inumerossssss...e com bailarinas de renome,e que na hora H necas...foi uma decepçao...e ja fiz com bailarinas não tão conehcidas que foram incriveisssssssssss...
Claro,que sempre podemos aprender coisas boas em qualquer circunstancias,é soh saber como olha!!!
Falou muito bem MOMO!!!

Dina disse...

Muito importante este post..
Lembro-me quando iniciei, por mim faria todos, minha professora falava qu determinados works não tinha necessidade alguma de fazer (naquele momento) e ela estava certa eu ainda não tinha técnica o suficiente p fazer determinados works.
O que eu fazia???tinha aulões para mãos, braços (muito importantes na dança e que tem gente que esquece) quadril..e eu fui indo..srsr
Hoje escolhos os works que são importantes para mim, assim como os eventos tbm...
Beijooosss Mô